Devo fazer faculdade ou partir para o empreendedorismo ?

Devo fazer faculdade ou partir para o empreendedorismo ?

Desde o advento e popularidade dos conteúdos sobre auto-ajuda, liderança, empreendedorismo, e o forte aumento dos autoproclamados “influenciadores”, “palestrantes”, “coach lifestyle” por influência dos americanos, tem havido muitos jovens angolanos a fazerem-se a questão… Será que vale a pena fazer faculdade ou mesmo fazer estudo para “sobressair” na vida ?

Todo angolano conhece e tem uma ideia exacta do que significa a expressão “sobressair na vida”, que tentar defini-la seria um insulto para o senso comum angolano. Espero não insultar ninguém, mas para que esse artigo seja compreensível e prático, serei forçado a estabelecer uma definição comum para o termo “sobressair na vida”.

Sobressair na vida é nada mais do que atingir um certo nível de estabilidade de vida, ou encontrar um caminho que te proporciona melhores condições de vida do que o angolano típico a.k.a(angolano normal).

Acho essa definição cobre 90% do que nós angolanos nos referimos quando pronunciamos a expressão “sobressair na vida”. Guarde esta definição em mente – Ela será muito útil ao longo deste artigo.

É muito fácil cair na armadilha de querer debater esta questão num contexto global/mundial que é o caso comum de debates sobre temas ideológicos feitos na internet e youtube para apelar a massa de espectadores. Tais debates tendem a ignorar o contexto particular de cada sociedade ou comunidade, portanto, visto que esta questão é um pouco delicada e necessita de casos reais, vou evitar ser ideológico. E a melhor forma de minimizar ideologias é escolher e fixar certos contextos. 

OBS 1 : É importante guardar em mente o contexto no qual a questão deste artigo está sendo baseado. Educação ou empreendedorismo em Angola. Angola é a banda.

OBS 2 : Para evitar confusão, utilizarei alternativamente os termos escola, estudo, educação e faculdade para se referir a mesma coisa.

Devo fazer faculdade   ou partir para o empreendedorismo  “Em Angola” [contexto] ?

First things first. A questão!

Não faz parte do meu carácter brincar com as palavras em debates sérios, mas acredito que semântica é muito importante quando se trata de questões de debates livres, e acredito também que certas questões possuem palavras encriptadas e muitas das vezes intencionadas e outras inconscientemente. Inconscientemente porque, querendo ou não, a questão expõe o estado mental do questionador, e ignorar a forma com que a questão foi posta pode levar a certas armadilhas e má compreensão dos argumentos, portanto, prefiro começar com a semântica da questão deste artigo.

Da forma que a questão foi posta, dá a entender que faculdade e empreendedorismo são caminhos possíveis de trocar com um mesmo dado grau de riscos e benefícios, embora estudos de casos e observações mostram o contrário – Pouco importa o contexto. 

Um momento de lucidez e rijura (os rijos/nerds sabem do que estou a falar)

Insistindo na questão… O termo “ou” indica que num instante t, pouco importa qual das opções escolhermos, um mesmo dado conjunto de eventos  vai acontecer como meio para chegar a um mesmo fim.  É como o velho ditado, “todo caminho vai a Roma”, embora não seja verdade para muitos casos, e este caso do artigo é um deles. Daqui parte o primeiro mal-entendido na questão que estamos a tentar responder. Mesmo se todos caminhos vão a Roma, não significa que todos valem a pena. Nem todos os caminhos têm os mesmos obstáculos, dificuldades, facilidades, perigos etc etc . Voltarei neste momento de lucidez mais à frente.

Como disse no princípio, uma das razões que fazem os jovens angolanos porem-se esta questão, vem da massa de informação dos conteúdos de motivadores ou palestrantes americanos não muito bem filtrado. Posso bem entender que noutros continentes como América e Europa, no século em que estamos, seja bem possível intercambiar(trocar) faculdade e empreendedorismo, por terem um mercado económico maduro e meios necessários(Daí o alerta de filtrar as informações e considerar o contexto)… Mas mesmo assim, insisto, mesmo com um sistema bem maduro como o dos americanos ou europeus, eu diria que é um desastre querer abandonar uma educação superior prematuramente por empreendedorismo, e uma tentativa suicidária no contexto Angolano.

O Diagnóstico

Para fazermos um bom diagnóstico, precisamos saber o que as pessoas, neste caso os jovens, esperam ou desejam alcançar através dos estudos ou do empreendedorismo ? 

Não querendo entrar muito nas nuances de cada motivação específica que leva as pessoas a fazerem estudos ou empreendedorismo, vou simplesmente  concentrar-me nas essenciais. 

  • Sustentar familiares( mãe, pai, irmãos)
  • Sustentar própria família ( mulher, filhos)
  • Ser financeiramente independentemente 
  • Ser seu próprio chefe
  • Contribuir no desenvolvimento do país ( para os patriotas)

Sendo honesto, e espero que os leitores também sejam, acho que estas 5 razões cobrem o resto das motivações na qual partimos para a escola e(a seguir)/ou partimos para o empreendedorismo.

Indo na raiz do problema, na verdade, o que todos queremos é “sobressair”( ter uma vida não difícil, ser financeiramente estável). E para alcançar isto, existem vários caminhos, mas uns mais certos do que os outros. Sem esquecer de prioridade ,benefícios retornados,  tempo e recursos investidos.  

Nos parágrafos anteriores mencionei o facto de que tentar trocar educação com empreendedorismo é uma tentativa suicidária no contexto angolano, mas ainda não expliquei o porquê. Por que não analisar os dois caminhos em questão ? Why not ?

OBS :  Só serão tomados em conta dois caminhos, escola e empreendedorismo. Outros tipos de caminhos, como herança, negócio de família etc, estão fora do perímetro deste artigo.

Quais são as possibilidades de sobressair seguindo o caminho da escola ?

Embora a escola seja um percurso de médio ao longo prazo, não obstante os retornos e benefícios são mais seguros, e próspero.  Educação académica é um sistema que existe há mais de 10 séculos. Já foi testado, e muitos outros sistemas dependem do sistema educativo académico como base.

Os sistemas governamentais, políticos, industriais, empresariais – todos eles se apoiam no sistema educativo para desenvolver seus próprios sistemas de operação. 

Nos sistemas governamentais quando querem recrutar um novo membro, o primeiro detalhe que procuram é o currículo académico. Estudou o quê ?  Aonde ? 

No sector profissional quando precisam de um novo empregado, o primeiro detalhe a verificar é sempre o currículo académico. Estudou o quê?  Aonde? Qual diploma ?

Neste mundo actual é quase impossível não conseguir trabalhar tendo um currículo acadêmico. Claro, tem certos domínios que nem sempre precisarão de uma formação académica, mas são casos muitos particulares, penso que estar num caso extremamente particular não é muito seguro, devido às condições que serão postas ao decorrer do tempo.

Então, é um facto que com educação as possibilidades de sobressair são muitas, porque a maioria dos sistemas existentes confiam no sistema educacional acadêmico.

Quais são as possibilidades de sobressair seguindo o caminho do empreendedorismo ?

Antes de analisarmos as hipóteses de sobressair empreendendo, acho necessário responder duas questões: Como empreender em Angola ? E por quais meios ?

O facto de Angola ter várias áreas para empreender e um mercado de empreendedorismo imaturo ou meio virgem não implica que qualquer pessoa com vontade de empreender possa entrar na corrida  e ter sucesso facilmente. Pelo contrário, o nível de sucesso de um empreendedor, penso, que é linear ao nível de maturidade do sistema do país e ao nível de conhecimento ou experiência do empreendedor. A que me refiro quando digo sistema ou conhecimento/experiência ? 

Sistema, me refiro a dinâmica e maturidade dos mercados como : comércio, investimento, créditos, legalizações e patentes e  justiça. Essas organizações são muito importantes no que tange ao sucesso dos empreendedores. Quanto mais maduro a dinâmica dessas organizações forem, melhor será para o empreendedorismo. Agora, será que em Angola temos um sistema maduro e estável ? Acabamos de provar que um dos elementos fundamentais da equação do sucesso do empreendedor já é incógnita ( O sistema) .

Conhecimento ou experiência, me refiro aos recursos ou valores pessoais que um empreendedor precisa ter. Muitos jovens com ideias brilhantes pensam que empreender é só ter ideia e que tudo vai se resolver. Não, não… E não.

Além da ideia brilhante, muitas das vezes você precisará de competências técnicas exigidas na área na qual seu negócio será desenvolvido. Para além da ideia brilhante e competência técnica, você necessitará também das seguintes competência gerais exigida :

  • Empreendedorismo
  • Comunicação clara
  • Liderança
  • Falar ao público
  • Persuasão

Se poderes ter as duas categorias de competências melhor. Se poderes ter apenas uma das duas categorias, que seja competência técnica na área exigida. Sem essa categoria é bem possível que sofrerás muito no mundo do empreendedorismo.

Baseando-se no angolano típico de família humilde(como gostamos de dizer) porque estes representam 90% da população, não vejo como um jovem poderá adquirir essas competências sem passar pelo menos na faculdade. Mesmo que sejas um autodidacta, as possibilidades de desenvolver todos esses requisitos em menos tempo sem pelo menos uma preparação escolar é quase impossível.

Então a solução é qual… Desistir ? Nem por isso…

Por que não os dois caminhos ?

Vimos que no contexto angolano educação e empreendedorismo ainda não são intercambiáveis, no entanto não significa que temos de abandonar um e seguir outro pelo resto da vida. Felizmente existe a variável tempo.
Em Angola existe muita incerteza ao lançar-se no mundo do empreendedorismo para sobressair na se decidirmos abandonar a educação – devido a imaturidade do “sitema”. E também vimos que a escola é um sistema a médio e longo prazo mas que oferece menos riscos e mais prosperidade devido à antiguidade e maturidade. Pode-se argumentar que em Angola existem muitos jovens diplomados mais que não tem trabalho para mostrar que afinal o sistema educativo não é assim tão maduro. Na verdade o sistema é maduro, o facto de não ter emprego não quer dizer que o sistema educativo é que é o sistema com falha, apenas mostra que mercado do trabalho não é dinâmico muito menos maduro.

O Remédio

Se o objectivo é sobressair na vida tendo estas duas alternativas, a melhor estratégia é considerar cada caminho e escolher aquele que nos proporciona menos riscos e mais segurança de sobressairmos. Eu sei… “Quem não arrisca não petisca” Anselmo Ralph quando disse isto no álbum Cupido estava apaixonado. Arriscar por paixão/tesão não é a mesma coisa que arriscar na vida.

No contexto angolano (ou qualquer outro país) educação académica é um dos meios/caminhos com mais segurança e menos riscos de garantir que no futuro próximo/longo terás o necessário para para sustentar você e sua família. Sistema académico é um sistema criado pela sociedade que funciona e é reconhecido a nível mundial. Já o empreendedorismo no contexto angolano, não é estável, senão, nenhum pouco fiável para se lançar como única estratégia, porque as nossas instituições não são maduras o suficiente para um jovem cru se lançar sem experiência académica.

Em vez de escolher uma das duas estratégias, uma outra ideia seria misturar as duas estratégias, mas em épocas diferentes. Primeiro obter um currículo académico e mais tarde optar por empreendedorismo. Pelo menos se fizeres estudos/faculdade em primeiro lugar, terás segurança que conseguirás ter uma estabilidade financeira mínima, e se mais tarde, quiseres outra coisa, poderás ir para o empreendedorismo. É tudo uma questão de dividir, priorizar e conquistar.

Se priorizarmos o currículo académico, as possibilidades de alcançar o  sucesso no empreendedorismo serão maiores. Todas aquelas competências gerais necessárias para ser um empreendedor, poderás obter 50% delas no percurso académico. Praticamente a educação acadêmica das competências como perseverança, mentalidade de colaboração, disciplina etc, – que são utilizadas em outras áreas. Sem perseverança e disciplina, podes esquecer sobressair pelo meio de empreendedorismo.

Espero ter posto ênfase o suficiente na escrita para perceberem que trocar educação académica por empreendedorismo por enquanto no contexto angolano não é uma boa estratégia. Talvez seja uma boa estratégia, dentro de 20 anos. Entretanto, até lá, continuarei a escrever e criar conteúdos sobre o assunto.

Sem comentários

Posta um comentário

Close Bitnami banner
Bitnami